Rastreie
sua carga
Clique para rastrear sua carga

O que analisar na hora de escolher fornecedores logísticos?

166 Visualizações

O que analisar na hora de escolher fornecedores logísticos?

O que analisar na hora de escolher fornecedores logísticos?

A logística é primordial para o cumprimento do planejamento estratégico de qualquer organização, e quanto maior a empresa, mais atenção essa área deve receber. Dessa forma, é necessário analisar cada passo para minimizar os erros e garantir níveis de serviço excelentes. Uma das tarefas mais importantes para se atingir esses objetivos é a escolha de fornecedores logísticos.

No entanto, selecionar fornecedores é um grande desafio, pois existem muitas variáveis que devem ser levadas em conta antes da tomada de decisão e, se a escolha não for acertada, ela pode acarretar grandes prejuízos financeiros e afetar a maneira como o cliente encara a empresa.

Pensando nisso, elaboramos este artigo. Aqui, você encontrará 5 dicas de como analisar fornecedores logísticos para fazer a melhor escolha. Continue lendo e descubra!

1. Preços e custos

Fornecedores, na maioria das vezes, não possuem vínculos empregatícios com as empresas contratantes — o que já ajuda na redução de gastos. Porém, isso não altera o fato de que uma das questões mais importantes que precisa ser analisada na hora de uma decisão são os preços praticados pelos fornecedores.

Então quer dizer que se deve escolher sempre o fornecedor mais barato? Absolutamente não! Nem sempre escolher o representante que pratica o preço mais baixo representa economia para a empresa contratante a médio prazo. É necessária a análise do custo-benefício.

Imagine, por exemplo, que você deseja contratar uma transportadora para atender uma rota de um cliente representativo para o seu faturamento. Uma empresa lhe oferece um preço abaixo do mercado, mas possui uma frota pequena e com veículos velhos e malconservados.

Agora pergunte-se: será que vale a pena ganhar uma pequena redução no frete e colocar em risco a qualidade de atendimento a um grande cliente, sabendo que isso pode gerar devoluções, avarias e redução de vendas?

Embora o preço seja um fator importante, não é apenas o valor do serviço que deve ser levado em conta, mas também os impactos financeiros (positivos e negativos) na escolha do fornecedor.

Sendo assim, decidir pelo menor preço nem sempre representa diminuição nos custos. Verifique as médias dos valores e garantias oferecidas para ter a real noção sobre gastos e lucros.

Um serviço de qualidade pode ser mais caro, mas, certamente será percebido pelo cliente, possibilitando o aumento de preço ou mais vendas.

2. Produtividade e flexibilidade

Um fornecedor, para atender de maneira satisfatória à empresa contratante, precisa aliar produtividade com flexibilidade. A produtividade está ligada à execução do serviço, englobando se foram cumpridos prazo de entrega, agilidade nos processos e informação, redução de custos, qualidade, confiabilidade, entre outros.

Quanto à flexibilidade, os pontos que devem ser analisados são o histórico do fornecedor, se está preparado e conta com mecanismos para se adaptar a alterações do mercado, se possui planos de emergência para situações que fujam da normalidade, etc.

No entanto, é essencial não confundir flexibilidade com falta de planejamentos ou improviso. Todo passo deve ser planejado antes, até mesmo as situações que eventualmente serão consideradas como emergência.

Lembre-se: a flexibilidade e a produtividade andam lado a lado, mas é preciso equilíbrio para que uma não interfira no resultado da outra.

3. Elaboração de contratos

Este é um dos pontos mais cruciais que precisam ser analisados na hora de escolher o fornecedor. No estudo sobre a elaboração de contrato, a empresa deve questionar se o fornecedor trabalha com níveis de serviços preestabelecidos.

Esses indicadores podem prever diminuição de valores em casos como:

  • atraso no prazo de entrega;

  • avarias;

  • temperatura inadequada do veículo;

  • extravio de mercadoria;

  • não comparecimento (no-show);

  • quantidade de produto diferente da acordada, entre outros.

Num primeiro momento, alguns fornecedores tentam prorrogar essas decisões. Atitudes assim devem ser vistas com desconfiança — ainda que negociar faça parte do trâmite, a honestidade e a lisura das informações são essenciais.

Todos os indicadores precisam estar claros e serem aceitos por ambas as partes antes do fechamento de uma parceria.

Outro ponto importante é inserir cláusulas de saída, para casos de descumprimento recorrentes ou graves.

Seguindo esses passos, certamente você terá muito mais chances de sucesso na escolha do fornecedor e, mesmo se algo der errado, poderá corrigir rapidamente.

4. Adequação das características do produto ou serviço da empresa

Não adianta o fornecedor oferecer preços baixos se a forma de trabalho é o oposto do que a empresa contratante precisa para o seu produto. Antes de escolher o parceiro ideal, o gestor precisa ter clareza de suas necessidades.

Por exemplo, se a empresa trabalha com uma demanda sempre acima do mercado e com prazos apertados, não convém firmar parceria com um fornecedor que possui um histórico de atrasos nas entregas. Em algum momento isso trará consequências negativas para a empresa.

Decisões baseadas apenas em números financeiros primários, que ignoram planejamentos a longo prazo ou parceiros que fogem completamente da característica do seu principal produto ou serviço, têm grandes possibilidades de darem errado.

É essencial transmitir para os futuros fornecedores que você conhece bem as suas necessidades e qual tipo de parceiro você está procurando.

5. Confiabilidade e localização

Confiabilidade passa pela pesquisa do histórico e reputação que o fornecedor possui no mercado. Para isso, é preciso fazer uma busca minuciosa dos prospectos. Essa pesquisa pode ser realizada em sites de reclamações e redes sociais. Usar o networking também é essencial, nesse caso, contate empresas que trabalham (ou já trabalharam) com o fornecedor que você está analisando.

A confiabilidade também está relacionada à solidez financeira dos fornecedores logísticos, visto que, se eles não puderem cumprir com os seus compromissos, você pode ser prejudicado.

A localização também é fundamental. Quanto mais próximo de você, melhor — pois a comunicação é mais rápida, possibilita conhecer a estrutura, e o tempo de atendimento das demandas é mais rápido.

Em suma, uma análise acertada na hora de escolher fornecedores logísticos pode essencialmente contribuir para que o trabalho dentro da cadeia de suprimentos seja executado com excelência, aliando qualidade e baixo custo.

Siga os passos apresentados neste artigo para fazer uma análise certeira e realizar a melhor escolha!

Agora que você já sabe o que analisar antes de escolher o fornecedor, descubra agora como avaliar a sua transportadora!

 CTA_Patrus_Checklist saiba como avaliar a sua transportadora!_final

Deixe um comentário